2: 3: 5: 6: 7: 8:

segunda-feira, 30 de setembro de 2019

10 Fotografias Históricas Colorizadas | Parte II

No Reddit tem um grupo chamado r/ColorizedHistory onde escolhem fotos históricas só vistas em preto e branco, e trazem de volta à vida colorizando-os digitalmente. Claro que, exige bastante interpretação e imaginação para realizar este processo único, mas todos os artistas tentam trabalhar com o rigor histórico tanto quanto possível.


Mesmo que a ideia pareça simples para leigos, a imagem final tem um efeito surpreendentemente comovente: vendo aqueles momentos históricos em cor, podemos relacioná-los mais fácil, e isso torna as imagens muito mais poderosas. Em vez de ver essas fotos, como estamos acostumados a ver nos livros de história, podemos agora conhecer pessoas que parecem muito mais reais e situações -cenas de guerra, por exemplo- que parecem que aconteceram ontem.

Abaixo, mais 10 fotografias coloridas digitalmente. Delicie-se:


1. Mulheres entregando gelo, 1918.
Foto Original: War Department/National Archives
Colorizada Por: Dana Keller

segunda-feira, 2 de setembro de 2019

Rendição do Japão | Segunda Guerra Mundial

#NumDiaComoHoje mas em 1945, o Japão assinava os documentos de rendição da Segunda Guerra Mundial a bordo do navio de guerra norte-americano USS Missouri, na Baía de Tóquio. Era o fim da Segunda Guerra Mundial, que havia começado seis anos antes. Antes da assinatura do documento, os japoneses haviam anunciado a rendição no dia 15 de agosto.
Foto de Stephen R. Korpanty
O documento foi firmado pelos representantes do Império do Japão, dos Estados Unidos, China, Reino Unido, União Soviética, Austrália, Canadá, do Governo provisório da República da França, dos Países Baixos, e da Nova Zelândia.

Anteriormente, no dia 11 de julho, os líderes aliados haviam se reunido em Potsdam, na Alemanha. Lá foi exigida a rendição incondicional de todas as forças japonesas. Como o Japão continuou a ignorar os termos de Potsdam, os EUA lançaram bombas atômicas sobre as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki, em agosto. Entre as duas bombas, os soviéticos invadiram a Manchúria e derrotaram o Exército de Guangdong, principal força de combate japonesa. Dominado e destruído, não restou outra alternativa aos japoneses a não ser a rendição.

domingo, 25 de agosto de 2019

Guetos

O dia a dia era barra-pesada. Os bairros europeus onde os judeus foram forçados a morar durante a Segunda Guerra eram imundos, lotados e cheios de doenças. Os moradores sofriam com a fome e o frio – faltavam agasalhos e combustível para cozinhar ou aquecer a população.

Os guetos ficaram tristemente famosos por conta dos nazistas, na década de 1940. Mas suas origens são bem mais antigas. Há registros de segregação forçada de judeus em 1280, no Marrocos. Durante os séculos 14 e 15, a prática se espalhou pela Europa, e só foi abolida 400 anos depois. Só que em 1939, logo depois da invasão da Polônia pelas tropas alemãs, o comando nazista determinou que todos os judeus nos territórios ocupados deveriam ser deportados para “áreas especiais” nas principais cidades dessas regiões.

No total, os nazistas estabeleceram cerca de 400 guetos, a maioria nos países invadidos na Europa Oriental, como Polônia, União Soviética, Checoslováquia, Romênia e Hungria entre 1939 e 1945. “Durante este período, viveram em guetos ou outras formas de moradia confinada entre 3,5 milhões e 4,5 milhões de judeus, em sua maioria poloneses e soviéticos. Em alguns guetos, além de judeus, viviam também grupos de ciganos”, afirma o historiador Peter Black, do Museu Memorial do Holocausto, nos Estados Unidos.